RSS

Arquivo mensal: fevereiro 2009

Conversão de MySQL para PostgreSQL

Enquanto o banco de dados de código aberto mais popular do mundo é o MySQL, o banco de dados de código aberto mais avançado do mundo é o PostgreSQL.  Não é raro termos de fazer conversões de um para outro.

Depois de alguma ajuda do Amigoogle, encontrei o script mysql2pgsql. Como o nome sugere, este script faz a conversão de bancos de dados do MySQL para o PostgreSQL. Depois de baixá-lo e atribuir permissão de execução para o arquivo, para fazer a conversão é necessário gerar um dump do banco MySQL e executar o seguinte comando:

$ ./mysql2pgsql.perl [MYSQL] [POSTGRESQL]

Onde:

  • [MYSQL] é o arquivo dump que você gerou
  • [POSTGRESQL] é o arquivo que será gerado. Cuidado para não sobrescrever um arquivo que já exista

Depois disso, é só você pegar o arquivo gerado, executar no psql, ou PgAdmin III e ganhar alguns pontos com seu chefe. Em tese.

Abrindo um parênteses. Quando executei foi no PgAdmin III (que é o que eu costumo usar) ele não executou pelo problema que descrevo abaixo. Estava com este artigo praticamente pronto, quando dei ouvidos a voz do além que dizia: Você não testou isso no psql! Dito e feito. Testei e o danado não reclamou de nada. Então o problema que descrevo só acontece no PgAdmin III – eu sempre achei que o PgAdmin usava o psql por baixo. Fecha parênteses.

O arquivo gerado mysql2pgadmin é um arquivo com comandos SQL de criação (CREATE) de objetos do banco (tabelas, sequências, índices etc.) e seus respectivos comandos de INSERT.  Mas o padrão dele é também incluir comandos de remoção (DROP) desses objetos. Acontece que para os DROP’s das tabelas, ele gera a seguinte saída:

DROP TABLE “nome_tabela” CASCADE\g

O PgAdmin vai reclamar desse “\g”. Oh, céus. E agora?

Como todo software (livre) que se preze, o mysql2pgsql tem uma ajuda. Help para os íntimos.  Basta executá-lo com o parâmetro -h, como abaixo:

$ ./mysql2pgsql.perl -h

Atenção para o que diz a descrição do parâmetro –nodrop:

–nodrop: strips out DROP TABLE statements
otherise harmless warnings are printed by psql when the dropped table does not exist

Ótimo. Podemos gerar o arquivo para o PostgreSQL sem os ‘DROP TABLE’s. E sermos felizes.

Peraí. E se precisarmos que o DROP TABLE seja gerado? Isso é assunto para o próximo artigo. Nos vemos em breve. 😉

 
13 Comentários

Publicado por em 04/02/2009 em Tutorial

 

Tags: , , ,